Edvaldo e Eliane são os primeiros entrevistados pelo Fórum Empresarial de Sergipe

 

Na noite da terça-feira (13), os candidatos a prefeito de Aracaju Edvaldo Nogueira (PC do B) e Eliane Aquino (PT) foram os primeiros entrevistados pelo Fórum Empresarial de Sergipe. O evento, que reúne dezenas de entidades ligadas ao setor em Sergipe, foi a oportunidade tanto para os candidatos apresentarem o seu Plano de Governo, quanto para os representantes das empresas poderem tirar dúvidas e darem suas sugestões balizadas sobre a área.

Também acompanharam o evento o coordenador do Programa de Governo de Edvaldo e Eliane, Jorge Santana, que inclusive é ex-coordenador do Fórum, além dos ex-prefeitos de Aracaju Wellington Paixão e João Augusto Gama. No Auditório Oviêdo Teixeira, na sede da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) em Aracaju, Edvaldo teve pouco mais de 20 minutos para apresentar os seus projetos para a cidade e posteriormente requisitado por perguntas e sugestões dos empresários, num debate mediado pelo coordenador do Fórum Empresarial, Alexandre Porto.

Apresentação

“Deus quer, o homem sonha, a obra nasce. Sempre trabalho com essa citação de Fernando Pessoa em mente. O país todo sofre uma grave crise e o próximo prefeito de Aracaju precisa ter experiência, capacidade e tino para saber lidar com o momento ruim”, iniciou Edvaldo, ressaltando que o primeiro trabalho que terá, se eleito for, será o de reconstruir a cidade.

“O diagnóstico hoje é assustador, mas não podemos ficar olhando para trás nem cair no imediatismo das ações. Nosso plano é Reconstruir e Avançar. Trago propostas sérias e exequíveis aqui, nada mirabolante como o que foi prometido pela atual gestão da cidade. Nosso projeto foi uma construção coletiva e técnica, sem viés ideológico. Quero que me cobrem por esse plano”, afirmou Edvaldo.

Dentre as propostas do amplo Plano de Governo que couberam no tempo de fala, o candidato defendeu o protagonismo de Aracaju no Desenvolvimento Econômico, na Segurança Pública e no Turismo, sem precisar ficar à mercê do governo estadual ou federal. Edvaldo falou também que a sua gestão vai incentivar o empreendedorismo, a micro e pequena empresa, vai rever as regras do pregão eletrônico com o poder de compra do Município, desburocratizar as relações na prefeitura e criar um polo logístico em Aracaju, favorecendo as parcerias público privadas (PPPs), dentre outras ações.

Parcerias

O presidente da Associação Comercial e Empresarial de Sergipe, Vladimir Torres, valorizou a preocupação do Plano de Governo apresentado com as PPPs, segundo ele uma “realidade atual tanto em nível nacional como internacional”. Edvaldo acrescentou que esta tendência já vinha adotada há algum tempo pelo governo federal e que o “Município não pode ficar na contramão destes processos”.

Marco Pinheiro, presidente do Sindicato das Empresas de Segurança Privada do Estado de Sergipe (Sindesp-SE), lembrou que a atual gestão da prefeitura de Aracaju tem sido muito permissiva com a instalação de casas lotéricas, sem o devido estudo da segurança pública adequada no local. Uma maior integração entre a Guarda Municipal e a Polícia Militar, além da instalação de câmeras de segurança no Projeto Aracaju Iluminada foram alguns dos pontos que podem melhorar a segurança e estão presentes no Plano de Governo de Edvaldo e Eliane.

Representando o setor supermercadista em Sergipe, o empresário João Luiz Silva indagou o candidato a prefeito sobre a livre-iniciativa na sua gestão. Edvaldo Nogueira lembrou que foi na época em que era prefeito de Aracaju que a cidade sofreu “um boom na construção civil e no comércio, de crescimento orçamentário nunca visto antes. Claro que tudo isso foi sempre compensado com a intervenção da prefeitura na área social. Não dá para separar crescimento econômico da distribuição de renda. Não faltam exemplos mostrando que quando há uma distribuição justa, as crises são superadas. Do contrário, só gera ainda mais miséria e apartheid”, ressaltou Edvaldo.

“Austeridade”

Juliano César Souto, do Sindicato do Comércio Atacadista de Sergipe (Sincadise), destacou a proposta do Plano de Governo de reativação do Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação e da revitalização do Centro da Cidade. Edvaldo reafirmou o compromisso com a área comercial de Aracaju, onde pretende fazer projetos de reabitação. “Nosso centro não está tão desgastado quanto o de São Paulo, por exemplo, mas precisamos reaviva-lo, tanto incentivando a volta dos moradores, quanto criando novos nichos de comércio”, respondeu.

Da Associação das Empresas Brasileiras de Software e Serviços de Informática em Sergipe (Assespro-SE), Roger Dantas Barros valorizou a ideia de Cidade Inteligente e lembrou que no último ano de Edvaldo como prefeito ele baixou a alíquota do Imposto Sobre Serviços de qualquer natureza (ISS) para incentivar as empresas de Tecnologia da Informação, incentivo que foi derrubado num dos primeiros atos do atual prefeito de Aracaju. Edvaldo reafirmou o compromisso em incentivar a área, citando inclusive projetos como “o Aracaju na Palma da Mão, Busão Conectado e o programa piloto de internet sem fio grátis nas praças e pontos turísticos de Aracaju, que dependem justamente de bons serviços de tecnologia”.

Presidente da CDL, Breno Barreto falou ao candidato que um dos maiores anseios da classe empresarial e dos lojistas era que o novo prefeito “tenha o compromisso não criar taxas ou aumentar os impostos que tanto atrapalham o desenvolvimento do comércio”. Edvaldo Nogueira respondeu que “o poder público não pode resolver problemas de caixa sempre com aumento de impostos, só em casos extraordinários. Pretendo inclusive revogar o aumento absurdo do IPTU feito pela atual gestão, e apenas corrigi-lo pela inflação, como sempre fiz. Tivemos uma crise econômica mundial em 2008, mas governamos com austeridade e conseguimos administrar bem a cidade”.

Gestão

Para Geraldo Soares Barreto, ex-coordenador do Fórum Empresarial, Aracaju precisa de um transporte coletivo eficiente e seguro, que dê dignidade aos usuários e aos trabalhadores, e “não o que acontece hoje, sem licitação, com empresas surgindo de um dia para o outro, com ônibus velhos e pintados para parecerem novos”. Para Edvaldo, a licitação é “fundamental para o novo Consórcio Metropolitano da Grande Aracaju, sempre integrado com o Plano de Mobilidade Urbana, que foi entregue por nós em 2012, mas foi engavetado pelo atual prefeito da cidade. Precisamos também nos debruçar sobre a planilha de custos”.

A questão da gestão também foi enfatizada por Edvaldo nas respostas. “Não tenho outra pretensão: se eleito, terminarei meu mandato de quatro anos. Fui prefeito por seis anos e não loteei cargos. Formei ótimas equipes de secretários, seja com técnicos, seja com políticos. Nunca responsabilizei secretários por erros da prefeitura. Farei contratos de gestão com os secretários: se não atingiu as metas, se não for eficiente, deve sair. Não fiz acordo com nenhum partido por secretarias, aliás, ainda não pensei na equipe que vou colocar porque ninguém ganha eleição antecipadamente”, afirmou o candidato.

“Precisamos racionalizar a máquina pública. Na minha época eram 1200 cargos comissionados, hoje, 2400. Gastávamos R$18 milhões numa merenda boa, que até os servidores da educação poderiam comer nas escolas. Hoje, gasta-se R$54 milhões numa merenda ruim, que nem os professores tem direito de comer. Desde que saí venho acompanhando os relatórios de gestão, sei de onde vem a gastança. Essa ideia de levar o lixo para tão longe encareceu tudo na coleta seletiva”, explicou Edvaldo Nogueira, que pretende com a austeridade, logo no primeiro ano, voltar a pagar o salário dos servidores em dia, fazer intervenções na rede de saúde pública e na limpeza.

Governo colaborativo

O empresário Jorge Santana, coordenador do Plano de Governo, aproveitou a oportunidade para agradecer o convite de participar do projeto, por “acreditar nele” e “encontrar em Edvaldo e Eliane o que há de melhor nesta eleição”. “Nós já sabemos que precisamos reconstruir as políticas públicas de Aracaju. Mas, para além disso, o que é que vamos construir de novo para a cidade? Então, para elaborar o plano nós fomos beber no plano da inovação, da criatividade, e foi aí que surgiu o conceito da Idade Inteligente. Trabalho com tecnologia então tenho intimidade com essa temática. O programa então surge com essa inteligência da cidade, que na prática é pensar a tecnologia em favor do cidadão, na dimensão humana, e não com um fim em si mesma”, explicou Santana, que aprove divulgando a plataforma “Reconstruir e Avançar”,

Muito elogiada durante a noite, pelo seu olhar humano sobre a cidade, a candidata a vice Eliane Aquino fez questão de explicar porque decidiu participar deste pleito. “Fui convidada a ser vice ou candidata por vários partidos. Mas tomei a decisão de ser vice de Edvaldo pensando na cidade, no nosso futuro, no futuro dos nossos filhos, do desenvolvimento social e econômico em Aracaju. Tenho certeza que Edvaldo foi a minha escolha certa, não só por conhece-lo e pode olha-lo nos olhos e discutir para construir tudo o que a gente quer e sonha e sabe que pode ser realizado na nossa Capital”, argumentou.

Eliane disse também que pretende ter “compromisso e respeito com o dinheiro público e não pensar na cidade como uma empresa privada familiar nossa, mas trabalhar muito por ela. Todos nós, não só quem está na prefeitura, precisamos gerir o nosso município, cada um é vivente deste lugar e tem responsabilidade sobre ele. Venham construir conosco”.

Fechando a noite, Edvaldo agradeceu pela oportunidade da troca de ideias com o setor empresarial, explicou que refletiu muito no tempo de quatro anos em que não ocupou cargo político, mas que aceitou o desafio por se achar preparado para reconstruir a cidade. “Já fui prefeito numa circunstância que eu peguei de Marcelo Déda, então eu já sabia como as coisas funcionavam e avancei no projeto. Agora preciso reconstruir. Não quero ser prefeito por vaidade ou por vontade de ganhar de novo, servir a outros interesses. Sou candidato por achar que estou preparado para contribuir com o desenvolvimento da nossa cidade. Tínhamos um projeto que dava certo e foi deixado de lado. Sei dos problemas e das dificuldades, mas vou enfrentar”, enfatizou Edvaldo, com um poema de Mário Quintana – “se as coisas são inatingíveis… ora! Não é motivo para não querê-las…Que tristes os caminhos, se não fora A presença distante das estrelas! ”.

 

Fotos: Marco Vieira

 

 

Deixe uma resposta